16 outubro 2006

Oliveira o quê?

Depois de ser publicada na capa da revista Projeto (edição 317, julho de 2006), uma casa no interior de São Paulo ilustra agora as páginas da Domus (edição 896, outubro de 2006).

Trata-se de uma façanha e tanto, ainda mais para um iniciante. O autor da proeza é Eduardo de Oliveira Rosa, que, informa a Projeto, formou-se na "FAU/USP em 1995 e concluiu mestrado pela faculdade Bartlett, de Londres, em 1997, quando passou a atuar como arquiteto autônomo na capital inglesa. É professor de projeto na mesma instituição desde 1998. Tem projetos construídos na Inglaterra e em outros países da Europa".

Os textos divergem bastante; julgo o italiano melhor. As fotos, no entanto, são as mesmas, tiradas por Leonardo Finotti.

Oliveira Rosa, apesar de ter se formado aonde se formou, parece que resistiu aos encantos da escola paulista. No primeiro momento, isso é o que é interessante no projeto: ele foge das nossa muletas projetuais...

Marcadores: , ,

3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

para apoiar-se em outras muletas...
o que é melhor? bom, meno male...resistiu ao canto das sereias mais próximas; prova, ao menos, de mais atenção?!

talvez de um pouco de autonomia? mais fácil é compor o time; que rende certa co-respondência e ...algumas míseras encomendas "integradas"; ...e de publicação fácil; adimiração mútua, regozijo barato, mas entre pares.

quando não um carguinho aqui ou ali; e o sentimento de "pertencimento" tão caro à "alma dos hermanitos arquitectos"

quando vi tal publicação, me perguntei: em que lugar da Europa ou EUA? depois vi que é em terras caipiras, depois ainda vi que o cara vive nas oropa, então entendi: se trata da mais genuína expressão caipira em tempos pós-modernos.
estava tudo explicado...

minhas retinas continuam fatigadas.
oh Drummond! salva nóis!

10:31 AM  
Blogger Alencastro said...

Ô anônimo, Drummond??? Você está começando a se entregar: só pode ser mineiro!
Esquece as pedras, pois, no meio do caminho de todos nós, sempre há uma...muleta!

12:38 PM  
Anonymous Anônimo said...

as muletas inescápaveis, são inescapáveis; ora pois.
as outras não são.
pensemos, nestes termos, na constituição das "coletividades", relacionada à da indivualidade.
de onde se parte? aonde se chega? o que resulta?

12:28 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home