09 outubro 2006

Globalização da favela


Amanhã será lançado em São Paulo o livro Planeta Favela, Mike Davis. O autor, ex-caminhoneiro e marxista, já era conhecido do público brasileiro desde Cidade de Quartzo, livro sobre Los Angeles (também estão disponíveis em português, Ecologia do Medo e Holocaustos Coloniais).

A edição brasileira, editada pela Boitempo, traz também um texto de Erminia Maricato. O lançamento, que será acompanhado de debate entre Maricato, Francisco de Oliveira e Luis César de Queiroz Ribeiro, acontecerá na FAU/Maranhão (rua Maranhão, 88).

Se não fosse tão pessimista, Davis, que reedita a luta de classe através de sua espacialização - favelas versus condomínios fechados/parque temáticos -, teria todos os ingredientes para ser endeusado pela esquerda arquitetônica tupiniquim.

Em junho, por exemplo, o Vivercidades já havia destacado o livro e indicado um blog com uma entrevista com Davis. E hoje o livro foi hoje tema (mais uma vez!) da coluna de Wisnik na Folha (disponível só para assinantes do jornal ou do UOL). "Também em contraposição a Davis, poderíamos lembrar de Milton Santos, para quem as áreas pobres, dada a "lentidão" e a "opacidade" dos seus territórios, são os lugares da "redenção possível" no mundo contemporâneo", escreveu o articulista do jornal paulista.

Parece que os uspianos acreditam na redenção da favela...

Marcadores: , , ,

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home